quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

DINÂMICA DA VIDA OU A SINA DA FLOR



Pela manhã, exibo-me,
revelo-me,
encho o mundo de cores, e cheiro;
inundo-te de mim.

À tarde, perco o viço.
Desmancho-me, e o vento me leva pra longe.

Amanhã nem lembrarás mais de mim.

Pelo menos meu cheiro ficou.

Nenhum comentário: