sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

FUSÃO



Um choque de  estrelas.
Uma explosão.
Ninguém ferido..
Uma fusão.
Um milagre.
O que antes eram  duas,
agora é apenas uma.

MORRENDO POR ALGUMAS HORAS




 Deito-me.
Fecho os olhos.
Durmo.
Por algumas horas pele, sangue, ossos e músculos estarão inertes aguardando o retorno da alma, essa força extrema, imperscrutável, que nos ergue nos movimenta e nos conecta com o mundo físico, com o mundo visível.


quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

VIDAS QUE ME RESTAM



Preso a um turbilhão de pensamentos me recolho.
Encolho-me num canto escuro qualquer do tempo e de lá contemplo minhas diversas vidas.

Fico contente!  Não são somente os felinos que têm várias vidas, nós que nos reconhecemos humanos, também as temos.

Eles só possuem sete; nós, milhares !

Deus foi genial demais quando nos presenteou com tantas vidas.
Imagine quantas vidas vivemos em um ano?
E durante toda nossa existência terrena?
É vida que não acaba mais.

Talvez por isso, inconscientemente, desprezamos, ou não damos valor a esse conjunto de vida que o Criador nos presenteou.

Quantas dessas vidas não  joguei fora ,e  sacrifiquei, às vezes por pura vaidade ?

Aqui no canto escuro do tempo contemplo cada uma das vidas que imolei. Elas poderiam estar por aqui dando um show e enchendo de vida e alegria as vidas de outras vidas.

Agora, chega!

Nada de desperdício,

viva a vida!

Viva as vidas que me restam!

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

DINÂMICA DA VIDA OU A SINA DA FLOR



Pela manhã, exibo-me,
revelo-me,
encho o mundo de cores, e cheiro;
inundo-te de mim.

À tarde, perco o viço.
Desmancho-me, e o vento me leva pra longe.

Amanhã nem lembrarás mais de mim.

Pelo menos meu cheiro ficou.

SER HUMANO


 
Feliz daquele que ainda  aprecia uma boa música.

Feliz daquele que ainda consegue  dar um sorriso,  sem esperar  nada em troca e gargalha  até doer a barriga.

...Feliz daquele que no decorrer do dia consegue parar, nem que seja por alguns instantes, olha  para o alto, aprecia o Céu azul e sente o vento  bater  no rosto.

Feliz  daquele que ainda se reconhece como humano !