domingo, 24 de abril de 2011

Chantagem e Sangue


Estava arrependida. Se soubesse que aquela situação fosse terminar daquele jeito nunca teria se exposto daquela maneira,  e colocado  assim,  sua vida conjugal, familiar,  social e empresarial em risco. Uma vingançazinha maldita, sem sentido e que poderia num piscar de olhos,  destruir toda sua boa vida. 

O que estava feito,  estava  feito;   agora  era   aprender com aquela situação  e buscar imediatamente um reparo.  Só ainda ainda não sabia como.

Claudia Cristina tinha a vida que pediu a Deus.  Na adolescência ganhou um concurso de beleza e aquele titulo lhe ajudara abrir muitas portas. Era uma bela mulher,  bem casada;  mãe de  três filhos, que ela não cansava de repetir:  eram   lindos;  uma  vida social bem movimentada com freqüentes  convites  para os mais distintos eventos sociais. Duas viagens nacionais e uma internacional por ano. Uma  empresa que lhe dava muito lucro e a  levara logo  a ficar independente financeiramente do marido. Ela é quem o socorria de vez  em quando.

A vida sexual, era uma loucura. O Marido era insaciável, e ela também. Quando estavam à  sós o diálogo se dava com  os corpos, ainda relativamente  jovens e sempre  em chamas. 

Naquela  manhã ainda  mantinha viva a lembrança a boa trepada  que dera  na noite do dia  anterior em cima da mesa da cozinha.    Estava o corpo todo dolorido, mas valera à pena.  Ela e o marido gozaram feito dois loucos.  Orgulhava-se: “meu marido está cada vez melhor”

-Não posso deixar tudo que construir  todos esses anos  ir por água abaixo. Tenho que  sair dessa encrenca  e bem rápido-  pensou, Claudia.

A jovem empresaria  começou a viajar no encadeamento dos  fatos que a levara  àquela aflita situação.

 Nem sabe  explicar como conseguiu se entregar por total ao marido na apimentada noite anterior  tamanha era sua preocupação.

O casal quase nunca brigava. Uma das únicas brigas ocorrera um ano atrás, e foi por causa daquela  droga de briga que o inferno na sua vida  começou.

 No calor da discussão Claudia acabou levando um tapa na cara. Aquilo  para ela foi o fim do mundo, ainda bem que as crianças não viram. Estavam na casa dos  avós.  Zangado, naquela noite, o marido saiu dizendo que ia dormir na casa de um amigo.

Claudia nunca tinha bebido e  ainda com o rosto ardendo e chorando  pelo tapa que levou  bebeu  num só gole quase meio copo de Red.

 Não merecia aquilo, estava desnorteada, ali  sozinha.  Também julgava que a situação por causa de um cheque sem fundo recebido não era  pra ter chegado a tanto. Precisava desabafar! Quando menos imaginou,  já embriagada,  estava na frente do computador numa dessas salas de bate-papo.  Não sabia que dali a um ano sua vida viraria de pernas para o ar.

Naquela noite/madrugada Claudia Cristina, mas do que interagiu com um sujeito que se apresentou como um próspero e gentil  empresário. Além de desabafar, se exibiu, na WEB. Mostrou os seios fez um estripe e simulou um ato sexual para aquele desconhecido.  Ela não sabia, mas aquele estranho gravava tudo.
Um ano depois, um telefona e o início da chantagem

- Alô, lembra de mim e do maravilhoso show de graça que  fez pra mim?  Pois é, estou pensando em lançar tudo em DVD.

- Quem tá  falando?

- Não lembra mais de mim, é?

-Vou direto ao assunto: quero 50 mil reais e uma noite quente de sexo. Ou você faz isso ou todo mundo vai ficar sabendo quem é verdeiramente dona Claudia Cristina  a  empresaria do ano. Entendeu?

Seis meses se passaram desde o primeiro telefonema do chantagista. O cara descobriu seu celular e ligava pela manhã, á tarde, noite e ainda  dava toques na madrugada.

A vida de Claudia tinha virado um verdadeiro inferno. Poderia ter denunciado tudo à Polícia, mas o risco era grande demais. Ela mesma precisava resolver aquele problema. Decidiu  então ceder ao chantagista.

Já tinha arrumado, às escondidas,  os R$ 50 mil. E naquele instante estava constrangida,  numa loja de produtos eróticos. O chantagista havia pedido que ela levasse espartilhos, incenso,  uma máscara e velas e outros produtos.

Com tudo na bolsa, aguardava mais um telefonema  com as instruções  do chantagista.

-Alô, anota ai, um   endereço.

Nervosa, Claudia Cristina pegou papel e caneta

- Pode falar

Minutos depois, a empresária estava em seu carro em direção à toca do misterioso chantagista, que conforme o endereço, morava  num bairro distante do centro da cidade.

A casa  tinha um muro alto.  Estava próximo das 20 horas e no trajeto o chantagista ligou três vezes para que Claudia se apressasse.
Tocou a campainha.

Na sobra de uma luz fraca. Aparece o estranho.

-Entre querida, a casa é sua.

O chantagista  tinha  1, 70, de altura,  branco, cerca de 35 anos, cabelos ralos e uma voz grossa.

-Vamos por parte, querida:  o dinheiro;  anda, rápido!

-Ta tudo, aqui, disse com um  pavor estampado no rosto,  Claudia Cristina.

- Trouxe o que lhe pedi?

-Sim, tá tudo aqui
-Então, tire essa roupa e vista tudo.
Claudia Cristina tirou o vestido, e foi seguindo as ordens do chantagista que havia exigido dela uma fantasia de Tiazinha, a musa de sua adolescência.

-Não faça nada que eu não goste. Se você não me obedecer, já sabe o que vai acontecer.

O chantagista, já nu se deitou e pediu que a “tiazinha” se aproximasse.

Claudia respirou fundo e foi seguindo as ordens.

Primeiro, em pé sobre a cama, enfiou o salto alto na barriga do homem;  depois ele  pediu que ela acedesse uma vela e soltasse alguns pingos  na sua barriga.  

Super excitado o estranho disse: -

-Amarre minhas mãos e meus pés

Claudia obedecia calma e silenciosamente.

-Quero agora um boquete do jeito que você  me disse na Web que sabe fazer.

Naquele instante, o coração de Claudia acelerou.  Já tinha feito loucuras numa cama, mas só com o marido.

-Meu Deus, em que me meti. E agora? Pensou Claudia olhando para aquele pênis ereto esperando por sua boca carnuda.

-Vamos, não demore minha Tiazinha ! 

Ei, espera   um  momentinho ! Quero que você também  vede meus olhos...

Na manhã seguinte, em casa, à mesa do café, com o marido e os filhos, Claudia Cristina ouvia, indiferente, a seguinte  manchete  em  um desses programas  mundo cão:

-Homem, de aproximadamente  30 anos,  tem o pênis cortado e sangra até morrer na periferia da cidade. O corpo  do desconhecido foi encontrado hoje pela manhã.

Um comentário:

Mauricélia Fernandes disse...

Hum, muito interessante, gostei...
Que continue sempre cheio de inspiração pra escrever...