quarta-feira, 26 de março de 2008

Resenha poética


Tempo

...Segundos, minutos, horas. É o tempo em mutação. Diabo, santo.
O quê é isso que tantas marcas deixam nas coisas e nas vidas?
É o tempo;
Impiedoso, cruel, bom, mau; é simplesmente o tempo. Impiedoso, cruel, bom mau; é simplesmente o tempo e nada mais.


Turpor

Como uma música suave tua voz invade minha mente.
Meus neurônios interagem e uma sensação o de paz toma do meu ser.
O tempo passa e aos poucos minha alma se abre para novas emoções.
Um murmúrio me deixa entorpecido. Já não sou mais senhor de mim.
O tempo passa.
Palavras não são mais necessárias sou teu e tu és minha.


Chuva

Vem! Não tenho medo de ti!
Molha minhas lágrimas; leva para longe minhas mágoas,
Faz-me feliz.
Não tenho medo de ti
Refresca meu sofrimento, apaga a tristeza que fere e macula meu coração.
Vem!
Não tenho medo de ti, vem! Faz-me feliz.

Nenhum comentário: